Entrevista

Entrevista com o KAFKA

21/01/2012 2012-01-21 17:23:00 KoME Autor: sianface & Katy Tradutor: Shin

Entrevista com o KAFKA

Entrevista com a banda de "dream pop" KAFKA sobre a vida deles, amores e música.


© Kafka
Algumas bandas seguem a moda enquanto outras tentam moldá-la. A autodeclarada banda de "dream pop", KAFKA, cabe definitivamente na última categoria. Por baixo do seu exterior sério há dois músicos em uma missão de criar seu próprio som, seguindo suas próprias regras. É desnecessário dizer que o KoME estava mais que um pouco intrigado em descobrir mais sobre essa banda. Por sorte, eles concordaram gentilmente em responder a algumas de nossas perguntas.

Chaeyoung e Changyeol, podem nos contar um pouco sobre os outros membros?

Chaeyoung: KAFKA consiste em Chaeyoung (composição, letras, guitarra, sintetizador, vocal) e Changyeol (composição, baixo, sintetizador, sound design, guitarra). Quando fazemos shows, nós normalmente tocamos com membros improvisados (bateria, baixo e DJ), mas às vezes nós fazemos shows apenas com nós dois.

Acho que Changyeol é bastante amigável e uma pessoa sensitiva. Sempre sinto que o som de sua guitarra é tão bonito e poderoso.

Changyeol: Muitas pessoas sentem medo de Chaeyoung por causa de sua aparência, mas ela tem um bom coração e também é amigável. Sua voz é tão distinta que eu penso que sua voz mesmo é outro instrumento único.

Como vocês se conheceram e formaram a banda?

Chaeyoung: Changyeol estava procurando por um vocalista e eu estava procurando por uma banda apropriada a mim em janeiro de 2000. Então, acabou que eu o conheci e nós dois pensamos que o destino nos uniu.

Changyeol: Naquela época, eu estava em uma banda como baixista, com um baterista e um guitarrista. Então, Chaeyoung se uniu a banda como vocalista, mas a banda tinha vários problemas desde o começo. Então, Chaeyoung e eu formamos uma nova banda, Purple Shoes, com músicos improvisados (guitarra, bateria) mais tarde naquele ano. Depois disso, Chaeyoung e eu mudamos o nome da banda para KAFKA em 2001. Desde então, venho tocando guitarra em vez de baixo em nossa banda.

Vocês se nomearam KAFKA por causa do autor Franz Kafka, por que exatamente vocês escolheram o nome dele? Vocês são influenciados por filosofia em geral?

Chaeyoung: Franz Kafka é obviamente um dos meus autores favoritos e eu tenho sido influenciado pela filosofia em geral desde que era pequeno. Mas não é só isso...

Nós nomeamos a nossa banda Purple Shoes. Nós não gostávamos do nome então decidimos mudá-lo, mas não conseguimos achar um nome que nos representasse bem. Então, subitamente, Changyeol disse, "O ID que você está usando no seu computador é bem simples e bom. Além disso, você gosta do autor, então por que não nomeamos a nossa banda KAFKA?" É por isso que escolhemos esse nome.

Changyeol: Eu gosto do nome da nossa banda. Mas eu gostaria de mudá-lo para outro nome em algum momento porque sempre que procuro pela banda, Franz Kafka é sempre o primeiro resultado. Mas temos que pensar sobre isso bastante.

Vocês compartilham influências musicais ou vocês entram em acordo entre seus dois gostos para produzir sua música?

Chaeyoung: Primeiro, nós costumávamos discutir sobre nossos gostos para produzir nosso som, então nós tivemos acordos algumas vezes. Mas logo percebemos que as diferenças tem um importante papel em fazer nossa música incomum.

Changyeol: Não compartilhamos influências musicais, mas eu gosto da singularidade da diferença entre nós.

Que tipo de música vocês preferem pessoalmente? Está claro que vocês misturam diferentes elementos em suas músicas juntos e as canções soam bem diferentes.

Chaeyoung: Para o primeiro álbum, todas as músicas que eu fiz foram calmas e irônicas.

Na verdade, eu não gosto de ouvir nenhuma música ou a voz das pessoas. Eu até odeio ouvir rádio. Então, quando escrevi a música The Scentless Dream em 2000, senti que a canção era como eu. Não sei porque. Porém, não significa que eu prefira esse tipo de música. Eu só amo todos os tipos de música que são feitos de dentro.

Changyeol: Como Chaeyoung mencionou, eu realmente amo todos os tipos de música que tem um coração.

Quando faço música nova, depende de como me sinto. Por exemplo, quando estou com raiva ou animada, eu geralmente faço músicas soando pesadas e quando me sinto triste, geralmente faço músicas calmas. É por isso que nossas músicas soam muito diferentes. Pessoalmente, acho que quando fazemos álbuns, eles não precisam ser o mesmo tipo de música.

Qual de suas músicas vocês recomendariam a um ouvinte de primeira viagem?

Changyeol: Gostaria de recomendar Silence do nosso último álbum porque acho que nos mostra, o KAFKA, no nosso melhor.

Chaeyoung: Gostaria de recomendar When You Wake Me Up de nosso último álbum porque tenho certeza de que se qualquer pessoa ouvir a essa música, vai ajudá-los a se sentir vivos.

Vocês foram nomeados para dois Korean Music Award esse ano (Melhor Álbum Eletrônico e Melhor Canção Eletrônica), como se sentiram sendo reconhecidos dessa forma?

Chaeyoung & Changyeol: De fato, ficamos surpresos com essa notícia porque geralmente apenas idol groups femininos ou masculinos e bandas indies famosas foram nomeadas até ano passado. Além disso, nos sentimos estranhos competindo com esses idol groups.

O que vocês acham do cenário musical coreano como um todo?

Chaeyoung: Quanto ao tão-chamado cenário musical "indie coreano", certamente a atenção tem sido retiradas de bandas e o crescimento do cantor-letrista está emergindo na Coreia. Acho que a maior parte dos coreanos tende a manter o fashion. Eles não querem ser diferentes de outras pessoas. Por exemplo, se a música punk estiver em seu momento moderno, eles vão gostar. Muitos fãs de música na Coreia tem principalmente ouvido as canções acústicas de pop coreano e tentado comprar violões nos últimos anos. Na semana passada, Changyeol e eu fomos ao maior shopping de instrumentos musicais, Nakwon, e ficamos chocados que todas as lojas apenas vendiam violões e não queriam vender nada mais.

Na verdade, acho que é difícil ter oportunidades como banda, principalmente bandas como a nossa, no momento.

É altamente lamentável que a maior parte dos coreanos e músicos indie não deem valor a diversidade musical.

Changyeol: Eu também me senti muito triste por isso. Na minha opinião, não importa o que os ouvintes mais querem, todos os músicos precisam fazer seu som e gêneros únicos porque não há variações no gênero musical no cenário indie coreano. Acho que os músicos não deveriam ser influenciados pela tendência ou ouvintes.

Seu último álbum, The Most Beautiful Thing, foi lançado em 2010. Vocês têm algum plano em lançar outro álbum logo?

Chaeyoung: Honestamente falando, nós gostaríamos de lançar outro álbum, mas eu não quero na Coreia. Mesmo que lancemos outro álbum na Coreia, a maior parte dos ouvintes coreanos não vão nem tentar ouvi-lo porque eles pensam que nossa música é difícil e diferente da música em geral. Eles desistem do direito de ouvir música diversificada e desistem do nosso esforço de fazê-los ouvir a nossa música. Por isso, acho que lançar mais álbuns na Coreia é perda de tempo e sem sentido. A primeira coisa que devemos fazer é achar outro país para lançar nosso novo álbum.

Changyeol: Como ele, gostaria de lançar outro álbum, mas não quero mais fazer isso na Coreia também. Se vamos lançar algo na Coreia, não será um álbum completo, mas um single. Eu realmente espero lançar nossos álbuns completo em países fora da Coreia logo.

Vocês tem uma rotina especial quando trabalham em uma nova música ou isso mudou com o tempo?

Chaeyoung & Changyeol: Não temos rotinas especiais. Trabalhamos em nossa música no instinto o tempo todo. Nós pensamos que quando trabalhamos em uma nova música, seguir nossos instintos é o melhor caminho para mostrar o que pensamos e como nos sentimos.

O que as pessoas podem esperar dos seus shows?

Chaeyoung & Changyeol: Eles podem sentir uma vibração recém-nascida de nossos shows. Nossos shows são tipo sonhos e misteriosos. Temos certeza de que eles podem sentir algo especial se verem nossos shows.

Vocês estão na indústria musical desde 2004, agora sete anos depois, o que mudou e o que continuou na mesma? Há outras influências agora que não haviam quando vocês começaram?

Chaeyoung & Changyeol: Nós achamos que não mudou tanto como um todo. Basicamente, a sociedade coreana em si não valoriza a cultura de seu próprio país, então como pode a indústria musical ou qualquer arte mudar ou evoluir?

Nós pensamos que levará centenas de anos para a indústria musical coreana ou para a sociedade mudar. Nós não mudamos também. Não há nada para nos influenciar ou mudar nossa música.

Quais são os seus planos para o futuro?

Chaeyoung & Changyeol: Primeiro, na Coreia gostaríamos de fazer mais shows quanto possível. E nós talvez lancemos um single este ano. Em seguida, planejamos encontrar um país diferente para apreciar o verdadeiro valor de nossa música e podermos tocar felizes.

Vocês tem algum plano de tocar no exterior? Há algum lugar em particular que vocês gostariam de tocar?

Chaeyoung & Changyeol: Estamos querendo tocar no exterior, mas ainda não tivemos a chance. Queremos tocar nos EUA e em países da Europa como Alemanha, Inglaterra, França, etc. Mas não importa. Qualquer lugar está bom para nós. Seria muito emocionante tocar em diferentes culturas.

Além da música, quais são os seus hobbies? O que fazem no seu tempo livre?

Chaeyoung: No meu tempo livre, eu geralmente leio livros e assisto a diferentes tipos de filmes. Meus diretores de cinema favoritos são Quentin Tarantino e Robert Rodriguez. Eu também passo o meu tempo desenhando.

Changyeol: Meu hobby é jogar videogame, mas gosto de jogar ação, FPS e jogos de terror em particular. Também gosto de ver filmes sangrentos no meu tempo livre.

Vocês tem algum prazer musical que se sentem culpados?

Chaeyoung & Changyeol: Bem, nós e a música feita por nós somos inteiramente desligados do mundo externo. Nós às vezes pensamos onde estamos e se as pessoas que passam por nós realmente existem. Então, nossa música geralmente contém sons estranhos ou palavras que ninguém pode entender. Além disso, pensamos que escrever as palavras para algumas músicas é como fazer sons únicos. Então, nós temos uma mensagem criptografada escondida em uma de nossas canções. E temos uma chave criptografada. Achamos que é muito divertido. Esse é o nosso prazer musical mais culpado.

Alguma mensagem final para nossos leitores?

Chaeyoung & Changyeol: Desejamos que todos vocês possam curtir a nossa música, que nossa música possa ajudá-los a curar as feridas dentro de vocês e a conseguir mais energia. Esperamos que todos vocês sejam sempre felizes e saudáveis. Obrigado.





O KoME gostaria de agradecer a Chaeyoung e Changyeol do KAFKA por tornaemr esta entrevista possível. O álbum mais recente do KAFKA, The Most Beautiful Thing pode ser comprado aqui
ANúNCIO
ANúNCIO