Entrevista

Entrevista com o diretor Lee Hark-Joon

29/01/2013 2013-01-29 00:01:00 KoME Autor: Daniella Tradutor: Shin

Entrevista com o diretor Lee Hark-Joon

Recentemente a première mundial do documentário de K-pop Nine Muses of Star Empire foi realizado em Amsterdam. Leia tudo sobre isso aqui em uma entrevista com o diretor.


© Chosun and Minch&Films
Em 17 de novembro, a première do documentário K-pop Nine Muses of Star Empire foi realizado. O documentário foi apresentado no Festival Internacional de Filmes Documentários (IDFA) em Amsterdã. O diretor Lee Hark-Joon seguiu as integrantes do Nine Muses por um ano, documentando altos e baixos de suas vidas como trainees. Apesar de sua agenda cheia, Lee Hark-Joon reservou um momento para dar uma entrevista ao KoME.
Photobucket

Primeiramente, gostaríamos de parabenizá-lo por sua première mundial do documentário Nine Muses of Star Empire. É uma grande oportunidade para a plateia holandesa ter uma visão maior do fenômeno que capturou muita atenção pelo mundo pelos últimos anos. Isso também oferece uma visão interessante e profunda no outro lado da fama na indústria musical coreana.



Por que você decidiu filmar esse documentário no K-pop e por que você esse escolheu o grupo feminino Nine Muses?

É incrível ver a cultura e a música de um país asiático pequeno se tornar tão popular mundialmente. Na minha infância, eu curtia muito a música pop americana, então eu me fechei às possibilidades de ouvir outra música de diferentes países. Olhando para minha infância, me vi chocado ao perceber que a música coreana é amada por pessoas em todo o mundo. O entusiasmo global perante o K-pop me fez querer investigar mais o fenômeno. Desde o começo, não era importante decidir quem seriam as personagens principais. O que eu pensei ser importante era ter personagens que pudessem falar verdadeiramente porque é difícil para celebridades abrirem seus corações e falar sobre seus pensamentos verdadeiramente, já que a imagem mística é uma virtude para celebridades. Então, fui encontrar o Nine Muses, que tinha mais de seis meses desde sua estreia. A maioria das grandes empresas de mídia coreana esperavam que elas fossem grandes estrelas, e eu pensei que elas poderiam falar verdadeiramente.

Se eu usasse o Girls' Generation no filme, seria mais cativante aos olhos e rentável do ponto de vista dos negócios. Mas eu não fiz esse filme para mostrar uma história de sucesso das estrelas. Mais que isso, eu queria ver a natureza do mercado do entretenimento que está escondido pelos palcos e rostos decorados. Eu queria achar uma agência e um grupo feminino que pudesse contar suas histórias verdadeiramente. Então, acho que não foi uma decisão ruim encontrar com o Nine Muses e a Star Empire. Eu queria que as pessoas refletissem sobre suas vidas ao assistir o esforço e a competição violenta das nove meninas para se tornarem estrelas.



No documentário são capturados os altos e baixos das trainees em seus caminhos para se tornarem estrelas. Durante seus dias de trainee elas encaram dificuldades e momentos difíceis ao se prepararem para sua estreia. Isso deve estar em contraste extremo com o que as pessoas esperam, julgando pela imagem borbulhante que o K-pop mostra de fora. Quais são seus pensamentos sobre isso?

Acho que é comum por todo mundo que a imagem das celebridades no palco é diferente de fora do palco. O Nine Muses passou por um momento difícil para chegar ao palco e sofreu com uma competição sem fim. Uma menina de 18 anos, apesar de não estar no filme, foi selecionada como integrante do Nine Muses, mas como ela sofreu com o treinamento pesado e tratamento rude, ela desistiu e saiu dentro de seis meses. Se tornar uma estrela é difícil e é preciso uma competitividade violenta, especialmente no cenário K-pop, que evolui muito rápido. A natureza humana se machuca na competição dura. Eu refleti sobre mim e sobre o perfil do homem contemporâneo a partir das meninas. Mas não acho que seja apenas limitado ao K-pop. O mercado do entretenimento por todo o mundo deve ser similar e meu documentário mostra diretamente a realidade desse mercado.



As meninas podem ser vistas treinando desde a manhã até tarde da noite. Como é a rotina diária do Nine Muses?

A agenda é apertada de 10 às 2 da manhã. Era sujeito a mudanças, mas geralmente elas passavam o tempo praticando dança e canto. Elas também aprendiam línguas estrangeiras e como se comportar em entrevistas. Às vezes, elas eram treinadas a se vestir como estrelas por famosos estilistas. Elas também aprenderam a compor e produzir músicas para cantores mais antigos da agência.


Super Junior

Durante o documentário as integrantes do Nine Muses foram tratadas rudemente em alguns momentos ao que parece. Você se sentiu da mesma forma?

O documentário mostra o lado negro atrás do palco e reflete pesadamente o ponto de vista das meninas. Então, você pode pensar que as garotas se machucam pelos managers sem coração. Contudo, o Nine Muses às vezes relaxava e não obedecia às regras. Os managers também tem razão de agir um pouco restritos. Espero que eles não sejam vistos como pessoas ruins. Eles estão desesperados porque eles terão que acabar com os negócios se o Nine Muses falhar.



Isso é compreensível. Isso reflete como produtoras e selos tratam seus artistas em geral, ou isso diferente de selo para selo? Há alguma diferença em como grupos femininos e grupos masculinos são tratados?

No geral, é o mesmo. Contudo, ouvi que grupos femininos são mais difíceis de treinar porque as meninas tem emoções mais frágeis. Então, muitos produtores dizem que meninos são mais fáceis de criar com treinamento pesado.



No documentário, as garotas escutam: "Você deveria parecer decente, bonita e não estúpida. A imagem é tudo." Você acha que a indústria musical está focando muito na imagem e deixou a música em segundo plano?

Vou responder a essa pergunta junto com os fatores chaves de sucesso do K-pop, já que o K-pop usa ferramentas únicas para atrair a plateia.

A razão para o sucesso do K-pop pode ser resumida em quatro fatores chaves: o planejamento da agência, o treinamento spartaniano, técnicas de canções viciantes e o marketing pelo YouTube. As maiores agências na Coreia do Sul são boas em ler as tendências e encontrar jovens talentosos. Eles tentam achar jovens talentosos por todo mundo em lugares como China, Japão, Tailândia e América. Uma canção viciante usa frases repetidas e então vicia as pessoas à canção. O grupo dançando é importante porque parece atrativo.



No documentário, os managers podem ser vistos decidindo as roupas das meninas, canções e coreografia. As meninas tem alguma opinião no conceito do grupo, ou tudo é decidido por eles?

O conceito da banda dos meninos e das meninas é decidido pela agência. Contudo, nem todas as bandas de sucesso são assim. Quando eles se ajustam ao mercado musical, eles começam a compor suas próprias músicas e tem mais voz em seu conceito. No documentário, as meninas escutam do produtor: "se você se tornar uma estrela, sua opinião é lei. Se você acha que está sendo tratada injustamente, se torne uma estrela." O que o produtor diz é cruel, mas mostra uma realidade.



No começo do documentário, o número de fãs no exterior é contato e os números disparam, visualizando o enorme aumento em popularidade que o K-pop está experimentando mundialmente. Você acha que essa popularidade mundial aumentou a pressão nos artistas coreanos? Os padrões estão mais altos por causa disso?

Agora, uma grande estrela na Coreia é uma estrela top na Ásia. Também há a esperança de ser uma estrela mundial como Psy... Aqueles que querem ser estrelas na China, Tailândia e Japão vem para a Coreia. A competição será mais pesada de agora em diante.

Photobucket


A sua visão sobre o mundo K-pop mudou depois de filmar o documentário?

Pude saber quão difíceis são as competições pela qual eles passam no palco. Não consigo mais assisti-los dançando e cantando no palco com sorrisos brilhantes como fazia no passado.



Durante as perguntas e respostas antes da primeira exibição, você mencionou que filmou o documentário enquanto atuava como produtor delas. Pode explorar isso?

Quando eu contei aos meus amigos e colegas que eu iria filmar um documentário sobre uma banda K-pop fora dos palcos, eles pensaram que o projeto não seria possível. Honestamente, eu fui rejeitado por muitas agências. Demorou mais de seis meses para persuadir a Star Empire. Eles me permitiram filmar o documentário sob uma condição: eles pediram que eu atuasse como manager das meninas e gravasse o documentário. Eu aceitei o pedido e passei um ano com as meninas. Planejo publicar um livro sobre esse documentário e ele será publicado em inglês também. Vou descrever mais históricas que ocorreram durante as filmagens no livro.



O documentário também será transmitido em outros países?

IDFA (Festival Internacional de Filmes Documentários em Amsterdã) é a première mundial. Então, ainda não terminamos nossa pós-produção. Depois de deixarmos o Amsterdã, planejamos focar na pós-produção e submeter nosso documentário para festivais de cinema. Como estou em discussão com grandes distribuidores, espero encontrar a audiência por todo o mundo com esse documentário.



Finalmente, gostaria de deixar uma mensagem aos nossos leitores?

Ter sucesso e atrair atenção é um desejo básico dos seres humanos. Competir e ter sucesso na nossa sociedade é visto como um grande valor. Quero perguntar às pessoas se o sucesso obtido pela competição violenta faria delas felizes.

Eu lidei com a indústria do entretenimento no filme. Contudo, episódios similares acontecem em nossa vida cotidiana. Por esse filme eu quero dar tempo às pessoas de pensarem em si mesmas e sobre a razão pela qual elas se esforçam pelo sucesso.

Você pode achar maiores informações nesse site. Obrigado e espero vê-los em outros festivais de cinema na Europa.



O KoME gostaria de agradecer a Lee Hark-Joon por esse tempo e desejar a ele e às integrantes do Nine Muses muita sorte em todos os seus projetos futuros.


ANúNCIO

Artistas relacionados

Nine Muses © 9MUSES Official Facebook Page
Nine Muses
ANúNCIO